Logomarca Sinmetal

Notícias destaques

Exportações de máquinas e equipamentos são destaque positivo no terceiro trimestre

21/11/2017 | IPESI Informa


O Coeficiente de Exportação da Indústria de Transformação (CE) marcou alta de 0,3 ponto percentual, para 20,5% no terceiro trimestre deste ano, ante igual período do ano anterior. No mesmo sentido, o Coeficiente de Importação da Indústria de Transformação (CI) avançou 0,8% ponto percentual, para 21,1%, na mesma comparação. Os dados são do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) e do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp.

De julho a setembro de 2017, considerando as exportações cresceram 3,1% (em quantum), enquanto a produção industrial registrou aumento de 1,6%. Na análise por setor, os destaques positivos foram puxados pelos produtos têxteis (+2,7 p.p.), máquinas e equipamentos (+2,4 p.p.) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (+2 p.p.).

Outros quatro segmentos se mantiveram estáveis, foram eles: produtos minerais não metálicos, alimentos, bebidas e artigos de vestuário. Na contramão, ainda considerando dados dessazonalizados, os quatro setores que marcaram quedas foram os de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-0,3 p.p.), móveis (-0,4 p.p.), celulose, papel e produtos de papel (-1 p.p.) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-1,5 p.p.).

IMPORTAÇÕES - Com um consumo aparente de importações 2,3% maior no terceiro trimestre deste ano, o Coeficiente de Importação da Indústria de Transformação (CI) avançou 6,5% (em quantum).

Dos 20 setores analisados pela Fiesp, dez apresentaram crescimento na comparação com os mesmos meses de 2016. Sete deles marcaram alta: máquinas e equipamentos (+6,1 p.p.), produtos farmoquímicos farmacêuticos (+3,6 p.p.) e indústrias diversas (+2,1 p.p.). Enquanto o coeficiente de produtos de minerais não-metálicos ficou estável.

Do lado negativo, outros nove setores tiveram recuo, principalmente informática, produtos eletrônicos e ópticos (-0,8 p.p.), bebidas (-0,7 p.p.) e produtos têxteis (-0,4 p.p.).

Na avaliação do diretor titular do Derex, Thomaz Zanotto, o comportamento dos coeficientes mostra a importância do comércio exterior para a retomada do crescimento.

De acordo com ele, o aumento do coeficiente de importação se concentrou em setores que incluem bens de capital e insumos industriais, o que indica que as empresas estão retomando seus investimentos diante de perspectivas mais otimistas para o consumo. "Já o aumento das exportações atingiu a maioria dos setores analisados, o que significa que uma taxa de câmbio não muito apreciada, alinhada à realidade brasileira, é fundamental para a competitividade do manufaturado nacional. Além disso, mostra também que a política comercial brasileira tem sido conduzida acertadamente. O governo entendeu a centralidade do comércio exterior para a retomada econômica do país", afirmou.

Veja a matéria na íntegra.

O SINMETAL não é responsável pelas notícias aqui transcritas, são apenas reproduções da mídia.

Filiado ao Sistema FIRJAN
Associe-se ao Sinmetal